Notícias
14/07/2020
Teste de cores de Ishihara: descubra se você é daltônico!
O artigo contém informações sobre o que é daltonismo e como identificá-lo através do teste de cores de Ishihara.
Compartilhe
/sistema/sys/arquivos/img_posts/274.png?w=415&h=415

Por acaso, você se lembra de ter visto esse conjunto de círculos com números subscritos alguma vez na sua vida? 

Se a sua resposta for “não”, está na hora de você conhecer o teste de cores de Ishihara.

Além de muito simples e prático, esse exame é fundamental para identificar indivíduos portadores de daltonismo: distúrbio oftalmológico hereditário que afeta, em diferentes níveis, a forma com que a pessoa enxerga as cores.

Ficou interessado em saber mais sobre o daltonismo? Então continua com a gente porque no artigo de hoje você vai ver:

  • O que é daltonismo?
  • Quais são os tipos existentes desse distúrbio?
  • Homens e mulheres podem ter daltonismo?
  • Como identificar o daltonismo?
  • Teste de cores de Ishihara - como funciona?
  • Faça o teste e descubra se você é daltônico!

Vamos lá!

O que é daltonismo?

O daltonismo é uma irregularidade na forma que o indivíduo enxerga as cores, principalmente o vermelho e o verde. 

Em casos mais raros, os portadores também têm dificuldades para identificar as cores amarela e azul, e em raras ocasiões, essa dificuldade pode atingir todas as cores, ou seja, alguns pacientes são identificados com um tipo de daltonismo que faz que nenhuma cor seja distinguida.

O daltonismo é um distúrbio que tem origem majoritariamente genética, sendo uma disfunção ligada ao cromossomo X, o que faz com que a maioria dos portadores seja homem. Além da motivação genética, o daltonismo também pode se desenvolver a partir de uma lesão ocular ou neurológica, apesar desse fenômeno ser mais raro.

Apesar de não ter cura, com o auxílio de um médico oftalmologista, os pacientes identificados com essa deficiência passam a conviver com o daltonismo, superando os desafios diários com tratamento e orientação médica.

Quais são os tipos existentes desse distúrbio?

Apesar do aspecto geral de dificuldade em enxergar algumas cores ser enquadrado como daltonismo, existem três manifestações particulares dessa deficiência: acromático, dicromático e tricromático. Veja abaixo as características de cada uma delas:

Acromático: o daltonismo acromático ou monocromático é a manifestação mais rara desse distúrbio. Os portadores desse tipo de daltonismo não enxergam as cores, vendo o mundo em escalas de preto, branco e cinza.

Dicromático: nesses casos os indivíduos afetados não possuem um dos receptores de cor, células chamadas de cones, e por isso não conseguirá distinguir uma das três cores a seguir: vermelho, nessa situação a deficiência chama-se protanopia, verde, a ausência das células cones para identificação do verde é conhecida como deuteranopia, e azul, se a célula cone receptora da cor azul apresentar uma deficiência (tritanopia).

Tricromático: essa é a manifestação mais comum do daltonismo. Na deficiência tricromática, o portador possui todas as células receptoras, porém uma delas não opera de forma correta. Sendo assim, o indivíduo terá dificuldades para identificar uma das três principais cores afetadas pelo daltonismo: vermelho, verde e azul, ou seja, apesar de enxergar, pode confundir-se com uma das cores citadas acima.

Homens e mulheres podem ter daltonismo?

Essa é uma dúvida bastante comum quando o assunto é daltonismo e a resposta é simples: homens e mulheres podem ser portadoras desse distúrbio, apesar de nas mulheres ser muito raro.

Estima-se que cerca de 9% da população mundial conviva com o daltonismo, dos quais 8,5% são homens e apenas 0,5% mulheres.

Isso acontece porque, como dissemos anteriormente, esse distúrbio se dá por uma irregularidade genética no cromossomo X. No caso dos homens, cuja formação genética é XY, recebendo um cromossomo X imperfeito de seus progenitores ele certamente manifestará o daltonismo. Enquanto nas mulheres, combinação genética XX, mesmo sendo portadoras de um X irregular, o outro cromossomo X “compensa” essa deficiência, fazendo com que elas, apesar de portadoras do gene “deficiente” não manifestem o daltonismo.

Como identificar o daltonismo?

Antes de falar propriamente do Teste de Cores de Ishihara, é preciso esclarecer que existem dois tipos de exame para a detecção do daltonismo: testes de triagem e testes quantitativos. 

Testes de triagem, o mais comum sendo o Teste de cores de Ishihara, indicam se você tem algum tipo de distúrbio relacionado à percepção das cores, mas não indicam com precisão o grau de profundidade dessa deficiência.

Para saber o quanto o daltonismo afeta a sua visão, qual é o tipo da deficiência que você possui, e principalmente, para iniciar um tratamento oftalmológico, você deve procurar um médico oftalmologista e realizar exames de daltonismo quantitativos.

Teste de cores de Ishihara - como funciona?

Através de uma sequência de diversos círculos, com diferentes cores, tamanhos e brilhos, com números subscritos, o Teste de cores de Ishihara indica um padrão de visualização atípica, que corresponde a forma como indivíduos daltônicos observam o mundo.

Observe a imagem abaixo para ver como o teste funciona na prática:

O primeiro círculo à esquerda, com número 12 serve para introduzir ao teste, ou seja, mesmo pessoas com daltonismo devem identificar o número dentro do círculo. Já no caso dos círculos na sequência, apenas indivíduos com a visão normal veem os números 2, 42, 74 e 6, respectivamente. Portadores de daltonismo, dependendo do tipo da deficiência, não conseguem identificar um ou mais números da amostra acima.

Ficou curioso para saber se você é daltônico? Faça o teste agora mesmo!

 

Figura 1

Figura 2

 

Figura 3

 

Figura 4

 

Figura 5

 

Figura 6

Resultado:

Figura 1 - 12, todos devem enxergar esse número, sendo ou não portadores de daltonismo.

Figura 2 - 74

Figura 3 - 2

Figura 4 - 26

Figura 5 - 45

Figura 6 - 3

Se você teve não conseguiu identificar os números acima, procure um médico oftalmologista para realizar exames de quantitativos de daltonismo e prosseguir com o tratamento.

Conheça o Instituto da Visão Assad Rayes

O Instituto da Visão Assad Rayes é qualificado desde 2005 como hospital especializado e foi fundado em 1996, contando com uma equipe médica altamente competente e experiente, além de equipamentos de primeiro mundo. 

Acesse nosso formulário do site ou ligue para (48) 3029-0260.





Outras Notícias